domingo, maio 20, 2007

Um "carvalho" australiano

Exemplar de Grevillea robusta A. Cunn. ex R. Br.


A grevílea (Grevillea robusta A. Cunn. ex R. Br.), também conhecida como carvalho-sedoso (designação que terá origem em Silky oak, terminologia pela qual é conhecida nos países de língua inglesa), é uma árvore originária do Leste da Austrália.

Esta é uma daquelas situações em que a designação vulgar (carvalho-sedoso) nos pode induzir em erro, dado que esta árvore não pertence ao género Quercus (ao qual pertencem os verdadeiros carvalhos).

Floração do carvalho-sedoso

Esta espécie é utilizada na Austrália como árvore de sombra em plantações de café e chá, sendo ainda muito apreciada em carpintaria.

Devido à sua intensa e espectacular floração é igualmente utilizada como ornamental. No nosso país é particularmente abundante no Algarve, onde é uma das mais presenças mais assíduas em ruas e avenidas.

Na Covilhã, na década passada, foram plantados alguns exemplares na Alameda Pêro da Covilhã, tendo ainda um porte modesto (em condições ideais esta árvore pode atingir os 20 metros de altura).

Carvalho-sedoso junto ao castelo de Silves (mesmo à distância a floração desta árvore é bem visível).

4 comentários:

Júlia Galego disse...

Ora viva! e agradeço que tenha feito este post. Há muito tempo que ando à procura da identificação desta árvore, sem sucesso. Calculava que seria uma exótica. Em C. Maior existe um exemplar no jardim, mas está em muito más condições. No entanto, há alguns anos foram plantadas uma série destas árvores ao longo do passeio de uma urbanização à entrada da vila. Algumas já têm flor, mas, no conjunto ainda estão muito atrasadas. É um espectáculo quando estão todas floridas. Tenciono fotografá-las e pô-las no blog.
É sempre um prazer visitar o seu blog.

Pedro n. t. santos disse...

Júlia,

Obrigado pelo comentário e pelo elogio.

Embora utilizada mais a Norte (sobretudo no litoral), esta espécie é sobretudo utilizada como ornamental no Sul (e, em particular, no Algarve).

É só de lamentar que nem sempre seja tratada com o respeito que merece:
http://sombra-verde.blogspot.com/2007/03/tradies.html

Manuel Ramos disse...

Eu tenho um, sem podas!

Manuel Ramos disse...

Eu tenho um, sem podas!