quinta-feira, maio 24, 2007

Sobreiro - a árvore de Portugal

Sobreiro (Quercus suber L.) - Canhestros, Silves (ver aqui e aqui)

"...o sobreiro em Portugal, sóbrio, rústico, complacente e bonacheirão, vegeta em toda a parte e sujeita-se, com singular e impressionante humildade, às condições mais diversas, por vezes as mais pobres".

Joaquim Vieira Natividade in "Aspectos da Cultura do Sobreiro em Portugal"

Sobreiro (Quercus suber L.) - Canhestros, Silves (ver aqui e aqui)

Se os blogues têm causas, e a Sombra Verde tem várias, gostaria de adicionar a essa lista a seguinte: ver reconhecida ao sobreiro o estatuto de árvore nacional de Portugal:

- Pela sua distribuição ao longo de todo o território do continente (as ilhas são, em termos botânicos, uma realidade completamente distinta): "O sobreiro é de todas as nossas árvores aquela que se encontra mais largamente distribuída. Encontramo-la no Norte, no solar do castanheiro, do roble e do carvalho-negral; junto ao litoral, do Tejo ao Minho, luta sem proveito nem glória com o pinheiro-bravo; associa-se ao carvalho-português na Estremadura, à azinheira e ao pinheiro-manso no Alentejo e vegeta a par da alfarrobeira nas quentes serras algarvias. (...) Se pusermos de lado as cumeadas de algumas serras ou as vertentes mais frias das montanhas nortenhas verifica-se que, do Minho à campina de Faro, o sobreiro não só vive em boas condições (...), senão ainda suporta o descortiçamento exagerado e as brutais mutilações na ramaria, indicação segura de que no território nacional encontra o seu óptimo ecológico".

Joaquim Vieira Natividade in "Subericultura"

De facto, que outra árvore autóctone podemos encontrar em todo o seu esplendor do coração do Minho à serra e litoral algarvios?

O sobreiro ocupa em Portugal perto de 737 000 hectares (dados do Inventário Florestal Nacional de 2006, não incluindo alguns povoamentos jovens), o que corresponde a cerca de 32% da área que a espécie ocupa no Mediterrâneo ocidental. Note-se que estes valores poderiam ainda ser superiores, não fosse o catastrófico Verão de 2003 em que arderam mais de 40 000 hectares desta espécie.

- Pela sua crucial importância ecológica: pelas inúmeras espécies (vegetais, animais, etc.) que dependem dos habitats dominados pelo sobreiro. Acresce a crucial importância no mundo rural português, sendo das poucas espécies que traz rentabilidade a uma população rural em claro declínio. E todos sabemos que o despovoamento traz consigo a desertificação, a qual é uma das mais sérias ameaças ambientais de parte significativa do território nacional.

Num país que todos os anos sofre o drama dos incêndios, em boa parte devido a uma política que apostou em espécies de crescimento rápido mas que favorecem a propagação das chamas, as florestas de sobreiro constituem verdadeiros corta-fogos naturais.

- Pela sua importância económica e social: o nosso país produz cerca de 200 000 toneladas de cortiça por ano (mais de 50 % do total), sendo o sector corticeiro o único onde Portugal tem uma posição de liderança a nível mundial, desde a matéria-prima até à comercialização, passando pela transformação.

A perda desta liderança representaria um descalabro económico, social e ambiental sem paralelo.

O mínimo que podemos fazer é proteger uma árvore que nos dá tanto exigindo tão pouco em troca...talvez apenas um pouco de respeito.

1 comentário:

Jardineira aprendiz disse...

Assino por baixo :)