sexta-feira, março 30, 2007

Para que tudo fique claro

Vamos regressar a esta notícia do "Diário XXI", de 21 de Março último (e que na altura me levou a escrever este texto).

Vamos
recordar, em particular, esta parte da notícia:

"Leopoldo Santos, administrador da empresa municipal Águas da Covilhã (ADC), responsável pela conservação dos espaços verdes públicos no município serrano, esclarece ao Diário XXI que “todas as podas são da responsabilidade de técnicos especializados”. A ADC realiza concursos específicos, sendo que, “habitualmente, são as podas levadas a cabo por uma empresa especializada na manutenção de espaços verdes do Porto, a «Planeta das Árvores»", refere".

Esta parte da notícia deixou-me na altura um pouco perplexo, porque daquilo que conhecia desta empresa, parecia-me altamente improvável, para não dizer impossível, que tivessem sido eles a executar o tipo de podas que aqui denuncio.
E isto, simplesmente, porque esta é uma das poucas empresas existentes no nosso país, que pratica uma poda cirúrgica respeitadora dos procedimentos técnicos e científicos exigidos neste tipo de intervenção.

Não quis ser eu a tomar a iniciativa de contactar a empresa, mas desejei que esta tivesse conhecimento da referida notícia, para que se pudesse esclarecer convenientemente toda esta situação.
Felizmente, estamos na era da internet que facilita os contactos e a comunicação entre as pessoas, o que fez com que o meu desejo fosse satisfeito.


Deste modo, tive o prazer de conhecer hoje o Sr. Serafim Riem, administrador da Planeta das Árvores, que me afirmou ser esta empresa totalmente alheia às referidas podas; aliás, a Planeta das Árvores perdeu, para uma empresa da Covilhã, o concurso público para o tratamento de várias centenas de árvores na cidade (sobre a qualidade no tratamento das árvores da empresa vencedora do concurso, esta está bem expressa nas fotografias que acompanham os vários textos que, sobre esta temática, aqui tenho publicado).

Este administrador da Planeta das Árvores, teve ainda o cuidado de me fazer o historial da sua relação com a Câmara Municipal da Covilhã e a Águas da Covilhã, EM (antigos SMAS), nomeadamente sobre as intervenções que esta empresa tem realizado no concelho.

Daqui deriva a seguinte questão:

"O que é mais grave, a forma como as árvores são tratadas no concelho da Covilhã ou a atribuição das suas responsabilidades a empresas que em nada estão relacionadas com estas podas?"

Eu sou português, sei bem o país em que estamos e que não vai haver nenhuma correcção pública das afirmações feitas, nenhum pedido de desculpas, nenhum assumir de responsabilidades...isto é Portugal, não tenhamos ilusões!

Mas ao menos, as gentes da Covilhã, ficam com mais uma prova daquilo de que são capazes aqueles que deveriam zelar pelo bem público; isto dito por quem também é, e com muito orgulho, funcionário público.

P. S.- Ao jornal "Diário XXI" não ficaria mal retomar este assunto e confrontar o Sr. Leopoldo Santos com esta situação.

3 comentários:

Anónimo disse...

A denúncia deste caso tem de ser divulgada, para bem do ambiente, da democracia, da verdade. Antecipadamente grato pela licença que certamente me dará para referir o caso no meu blogue, um abraço. Octávio Lima (ondas3.blogs.sapo.pt)

Pedro n. t. santos disse...

Claro que sim, Octávio...por todos os motivos por si referidos.

Aconteceu na Covilhã, mas podia ter acontecido em qualquer outro ponto deste nosso Portugal: um administrador de uma empresa municipal tenta justificar o injustificável, utilizando o bom nome de uma empresa totalmente alheia a esta questão ( e que por acaso já fez serviços para a CM da Covilhã, mas em nada relacionados com estas podas!).

A bem da verdade e da democracia, agradeço toda a divulgação.

Abraço

Ps- o que mais admiro "nesta gente" é a ingenuidade (ou o descaramento?) de pensarem que a verdade não se vai descobrir!...

Anónimo disse...

Algum Adm. encheu a garagem com lenha.