quinta-feira, setembro 27, 2007

Obrigado...

Perdidos...

...pelos vossos comentários aos textos anteriores. Como escrevi ontem: "os vossos comentários fizeram-me sentir recompensado pelo esforço e fizeram valer a pena esta partilha".

Os vossos elogios deverão ser não apenas para mim, mas para todos os que me acompanharam nesta jornada de descoberta. De referir que neste texto, como noutros mais antigos, algumas das fotos são da autoria do "caçador de árvores" Miguel Rodrigues (é fácil distingui-las, as dele são geralmente as melhores!).

At my most beautiful...

Uma leitora amiga deste blogue enviou-me um e-mail simpático que me fez reflectir um pouco, pelo que decidi partilhar com vocês mais alguns pensamentos.

A divulgação da localização exacta de uma árvore acarreta riscos. Ponderei-o antes de decidir publicar uma localização tão detalhada (que incluiu as coordenadas). Neste caso, penso que se trata de um risco calculado tendo em conta que a mesma se encontra numa propriedade privada. Quero acreditar que os proprietários tornariam a entrada na mesma mais difícil se o local se tornasse num sítio de romaria.

Por outro lado, é necessário percorrer cerca de 3 km em terra batida para chegar ao local; ou seja, a árvore está relativamente isolada e penso que este facto, por si só, irá demover muitas pessoas.
Mas claro que existe um risco e assumo-o; isto é, escrever num blogue e emitir opiniões ou fornecer determinadas informações, acarreta que os autores desse blogue estejam expostos a um conjunto de consequências, até do ponto de vista legal. Que é algo que as pessoas que escrevem em blogues deveriam ter sempre presente... Neste caso, ponderados os prós e contras, decidi divulgar a localização exacta da árvore; pondero sinceramente, noutro tipo de situações, não o fazer para salvaguardar a preservação de determinada árvore ou conjunto de árvores. Não são decisões fáceis de tomar...

Resumindo, tenho esperança que apenas os portugueses que são doidos por árvores a ponto de trocar um Domingo de praia no Algarve por apanhar um banho de pó e suor no meio do Alentejo, se façam à estrada...ou seja, um em cada meio milhão de portugueses! E espero também que os proprietários do terreno, com os quais gostaria muito de falar, tenham a sensibilidade de a preservar e mesmo propor para classificação.

Mais uma vez, OBRIGADO!

P.S. - Espero ter amanhã o "estômago" para falar deste assunto!

3 comentários:

Ana Patudos disse...

Pedro, vale sempre a pena seguir-mos os nossos sonhos, nem que tenhamos que fazer grandes travessias no deserto. Como dizia o poeta: Pelo sonho é que vamos.

Abraço e fica bem
Ana Paula

as-nunes disse...

Obrigado, temos que ser nós, Pedro.
Já estava a retirar-me da Net, depois de colocar um comentário no "apaixonei-me por uma árvore", quando instintivamente carreguei no "home".
Aqui está o objecto de tamanha paixão!
Como é que um ser humano não se pode apaixonar por este espécime de árvore? Como podemos ficar indiferentes a tamanha manifestação da Natureza?
E também, como é possível tanta indiferença em relação a um monumento tão espantoso proporcionado pela Natureza, que terá resistido a tantas e tantas vicissitudes, com toda a certeza!
Quanta indiferença pela Natureza! Quanta insensibilidade! Afinal a Vida o que é?!
Será que não conseguimos perceber que sem um equilíbrio PERFEITO entre o Homem e toda a restante Natureza, a Vida não é possível? Será que não conseguimos interiorizar que o equilíbrio ecológico é imprecindível à VIDA?
Uma abraço e, mais uma vez, muito obrigado pelo esforço (hercúleo neste caso).
António

Paulo disse...

Como diz o António, somos nós que agradecemos.