segunda-feira, agosto 06, 2007

Uma promessa (castanheiro da aldeia da Malcata)

Castanheiro (Castanea sativa Mill.), Malcata

Este belo castanheiro (Castanea sativa Mill.) situa-se na aldeia da Malcata (concelho do Sabugal), mais concretamente nos jardins do Centro de Dia da povoação.

Deste castanheiro já tinha falado em Junho passado (ver aqui) mas o mérito da sua descoberta e divulgação deve-se ao autor do blogue Malcata.net que, com regularidade, nos dá a conhecer o património da sua aldeia.


Castanheiro (Castanea sativa Mill.), Malcata

Eu sei que esta confissão pública não irá abonar muito em favor da minha condição de "caçador de árvores", mas vim de férias para a Covilhã sem trazer o aparelho de medição da altura das árvores que me foi emprestado (e ao meu colega de caçadas) por técnicos da Direcção-Geral dos Recursos Florestais (DGRF) do Algarve. Lá ficou também a fita métrica para medir os perímetros e esta "cabeça" ainda não se lembrou de comprar outra!...

Desabafos à parte trata-se de uma árvore notável que eu não hesitaria em propor para classificação. Por conversa com algumas das pessoas que descansavam à sua sombra, fiquei com a certeza que estas têm noção do porte invulgar deste exemplar e que muito apreciam a beleza desta árvore. Acresce que na região, como um pouco por toda a Beira, os castanheiros foram muito afectados pela doença da tinta e pelo cancro do castanheiro, o que fez desaparecer alguns dos melhores exemplares que se conheciam da espécie.
Deste modo, árvores como esta, assumem um estatuto de sobreviventes, o que aumenta o interesse das pessoas na sua conservação.

Em função do que antes escrevi no parágrafo anterior, p
enso que seria fácil reunir um consenso na aldeia e solicitar à Câmara Municipal do Sabugal, a classificação deste castanheiro como árvore de interesse concelhio e à DGRF, a sua classificação como árvore de interesse público.

Fica lançado o desafio!...

10 comentários:

Nádia Bonani disse...

Olá!
Nossa um castanheiro como esse é tão lindo e transmite tanta paz que da vontade de ter um ao jardim de casa...rs..
Amei lindo lindo...
Parabéns*

"O Padrinho" disse...

Boas Pedro, encontrei esta noticia que achei que lhe podia interessar:

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=289490

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Padrinho,

Podes acreditar que me interessou e muito!Obrigado pela chamada de atenção.

Abraço

ljma disse...

Vivam!
Queria só deixar uma correcção ou adição à notícia do Diário Digital referida pelo Padrinho. O pinheiro-silvestre pode ser encontrado não só na "Escandinávia, na Sibéria e na Europa de Leste" mas, também, na Serra da Estrela (e em muitos outros sítios, imagino), nas Penhas Douradas, perto da lagoa das Penhas da Saúde, perto da Nave de Santo António. Aliás, durante alguns milénios depois da última época glaciar, era uma espécie comum na Península Ibérica: encontraram-se cinzas de pinheiro-silvestre no túmulo do menino de Lapedo, sepultada há quase vinte e cinco mil anos, perto de Leiria.

josnumar disse...

Olá,Pedro!
Sempre foi a Malcata fotografar o "nosso"castanheiro.Está uma foto espectacular e pelo que li, encontrou as pessoas a repousar sob a sombra da folhagem. Também estive em Malcata há dias. Tive a oportunidade de conversar com a Drª.Graciete, esposa do Dr.Carlos Clemente, membros da direcção do Centro de Dia. Todos estão interessados em preservar a árvore e agradeceram o modo como o assunto está a ser tratado. Eu vivo em Matosinhos, longe da aldeia, venho por isso, uma vez que o Pedro já tem experiência no campo das classificações de árvores,será muito solicitar-lhe que avance mais alguns passos para que esse castanheiro seja mesmo considerado árvore classificada? Pela parte da direcção penso que estão interessados em fazer mais alguma coisa pela seu grande "sombrero".
Para já, o Diário XXI parece que já se apercebeu das nossas fotografias...fico feliz pelos teus interesses e objectivos blogueiros. Eu vou também lançando olhares sobre aquilo que penso ser do interesse de todos.
Um abraço e continue a fotografar e a medir as nossas árvores.

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Não me importo nada de dar início a esse processo junto da Direcção-Geral dos Recursos Florestais. Não há é a garantia que eles considerem que a árvore reúna todos os parâmetros para ser "classificada de interesse público".

Para a "classificação como árvore de interesse concelhio" será mais determinante a vontade política. E aqui terão mesmo que entrar em campo as pessoas da terra.Sugiro que os responsáveis do Centro de Dia sensibilizem o Presidente da Junta e este, por seu turno, o presidente da Câmara. Nestes casos, convém sempre lembrar que estes processos não envolvem quaisquer encargos financeiros para as autarquias.

Por último, convinha relembrar os responsáveis do Centro de Dia que o pior que pode acontecer a uma árvore é uma poda mal feita, pois estas reduzem em muitos anos a longevidade das árvores e são uma "porta aberta" para muitas infecções. Se algum dia quiserem que técnicos especializados inspeccionem a árvore, pois pode haver necessidade de alguma poda cirúrgica para eliminar rebentos ladrões ou ramos doentes, entrem em contacto comigo (via e-mail:asombraverde@gmail.com) e eu farei chegar-lhes os contactos de empresas certificadas para o efeito.

Um abraço.

Ps- irei, assim que tiver disponibilidade, enviar o pedido para a DGRF. Quando tiver novidades direi alguma coisa, embora isto demore cerca de 2 meses.
Por curiosidade, já depois de ter ido à Malcata e ao Sabugal descobri que existe um castanheiro já classificado no Soito (Jastais).

josnumar disse...

Pedro, agradeço o interesse que tem demonstrado pelo castanheiro e pela defesa que faz de todas as árvores.
Vou também entrar em contacto com os dirigentes do Centro de Dia e com o Presidente da Junta de Malcata, pelo menos, vamos iniciar um caminho e lutar pelo objectivo.

Anónimo disse...

Josumar:
Não sei quem és mas gosto do teu blog e do teu amor a Malcata, que partilho incondicionalmente.
Sou teu conterrâneo e Presidente da Assembleia Geral do Lar.
Vamos lá vançar com a cladssificação do nosso "colosso".
Descobri hoje,casualmente o teu blog e ...adorei.
Não pares...continua a vitalizar a tua aldeia na blogosfera e conta comigo.
Um abraço,

Anónimo disse...

Fiz em Malcata a 3ª e 4ª classe em 1954/1956. Já lá voltei várias vezes e foi um prazer revê-lo aqui. Parabéns.Aproveito para lhe dizer que o Prof Fernando Catarino [FCULisboa], embora jubilado, continua activissimo. Está connosco, AMNO [Associação de Moradores de Nova Oeiras] a preparar uma publicação As Árvores de Nova Oeiras, com direito a Caminhada no dia do lançamento. O entusiasmo dele pela árvore teve um reconhecimento no dia 14 de Junho: a Câmara Municipal de Odivelas deu o nome Fernando Catarino ao mais recente jardim.
RogérioCarmona

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Olá Rogério,

É sempre bom encontrar as árvores da nossa infância plenas de vida.

Ainda bem que o seu castanheiro da Malcata sobreviveu ao passar dos anos e, sobretudo, à vontade dos homens.

As árvores são parte importante da memória das pessoas e deveriam ser poupadas à humilhação das podas radicais.

Fico feliz por saber desses projectos que envolvem o professor Catarino, bem como da homenagem em forma de jardim. E que melhor forma de homenagear quem dedicou toda a sua vida às plantas, do que dar o seu nome a um jardim...Perfeito!

Cumprimentos