quinta-feira, julho 26, 2007

Todas as histórias têm um fim...

Em Janeiro do corrente ano, tive a ocasião de aqui escrever, por mais de uma vez, o que me ia na alma a propósito das podas radicais aos plátanos da estrada N230, entre a Covilhã e o Tortosendo - podem reler aqui e aqui.

Deste crime também fizeram denúncia outros blogues: Dias com Árvores; Dias sem Árvores; A Poda (com Ph) das Árvores Ornamentais e a Máfia da Cova; espero não me ter esquecido de nenhum...

Mas a história não poderia acabar aqui; passado meio ano, era altura de regressar ao local do crime. Pois bem, foi o que fiz na terça-feira passada.


Os plátanos estão "altos", "revigorados"...Atrever-me-ia mesmo a dizer que foram "requalificados" de uma forma excepcional! Enche-nos o coração ver o "saudável" que estão, a sombra que nos proporcionam acalma o mais violento dos estios... (Desculpem-me o estilo mas, por vezes, a ironia é a única arma que nos resta).

N230 (Covilhã - Tortosendo)

De todas as árvores mutiladas que pude fotografar em Janeiro passado, a da fotografia seguinte foi a que mais me impressionou.

N230 (Covilhã - Tortosendo)


A fotografia seguinte mostra esse mesmo "plátano" (as aspas aplicam-se porque chamar plátano a este cepo é no mínimo um acto de mau gosto).

A sério, qual é a utilidade destes cepos com meia dúzia de folhas? Será que esta estupidez não entrará pelos olhos das pessoas? Que proveito tiram as pessoas destas práticas? Cortem-nas logo pela base, poupem-lhes a morte lenta...

N230 (Covilhã - Tortosendo)

Claro que há as que morrem logo, talvez num assomo de derradeira dignidade. Afinal, as árvores morrem de pé...


N230 (Covilhã - Tortosendo)



N230 (Covilhã - Tortosendo)

5 comentários:

.:.Joaninha.:. (percy) disse...

Realmente existe gente muito estupida capaz de fazer isto.. Estes seres sao a nossa fonte de vida e deviam ser mais respeitados.
...enfim...


gostei do blog =)

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Obrigado e bem-vinda à sombra :)

manueladlramos disse...

De partir o coraçao!!!!!!!!!!!!!

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Estamos sempre a descobrir que o coração simplesmente não conhece limites...para se partir, uma e outra vez...

Como sofro por antecipação, olho para as que sobreviveram este Inverno e antevejo o que por aí virá no próximo...

João Monteiro disse...

Só mesmo as pessoas que são estupidas é que fazem isso as arvores (desculpando o termo)