sexta-feira, novembro 07, 2008

Poema das folhas secas de plátano

Plátano (Platanus orientalis L. var. acerifolia Aiton) - Portalegre


As folhas dos plátanos
desprendem-se e lançam-se na aventura do espaço,
e os olhos de uma pobre criatura
comovidos as seguem.
São belas as folhas dos plátanos
quando caem, nas tardes de Novembro
contra o fundo de um céu desgrenhado e sangrento.
Ondulam como os braços da preguiça
no indolente bocejo.
Sobem e descem, baloiçam-se e repousam,
traçam erres e esses, ciclóides e volutas,
no espaço escrevem com o pecíolo breve,
numa caligrafia requintada, o nome que se pensa,
e seguem e regressam,
dedilhando em compassos sonolentos
a música outonal do entardecer.
São belas as folhas dos plátanos espalhadas no chão.
Eram lisas e verdes no apogeu
da sua juventude em clorofila,
mas agora, no outono de si mesmas,
o velho citoplasma, queimado e exausto pela luz do Sol,
deixou-se trespassar por afiados ácidos.
A verde clorofila, perdido o seu magnésio,
vestiu-se de burel,
de um tom que não é cor,
nem se sabe dizer que nome tenha,
a não ser o seu próprio,
folha seca de plátano.
A secura do Sol causticou-a de rugas,
um castanho mais denso acentuou-lhe os nervos,
e esta real e pobre criatura
vendo o solo coberto de folhas outonais
medita no malogro das coisas que a rodeiam:
dá-lhes o tom a ausência de magnésio;
os olhos, a beleza.

António Gedeão
(poema retirado do blogue Botânica nas Ilhas)



P.S. - Na imagem que acompanha o poema, o espectacular plátano
(Platanus orientalis L. var. acerifolia Aiton) de Portalegre, classificado como árvore de interesse público desde 1939.


7 comentários:

Artemísia disse...

olá!! Mais uma terra, mais uma árvore. Esta deve conhecer, é na vila de Gonçalo, aí perto. AInda nao a vi ao vivo, mas já me falaram dela: http://goncalocultural.blogspot.com/2006/11/fotos-de-gonalo_29.html

Júlia Galego disse...

Para um plátano monumental só um poema de A. Gedeão. Ficam muito bem juntos.
Bom fim de semana

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Artemísia,

Conheço Gonçalo, claro, mas desconhecia por completo este carvalho (que suponho ser "negral"). Vou tentar descobri-lo da próxima vez que for à Covilhã.

Vou publicar a foto na próxima Terça. Obrigado.


Olá Júlia,

Ficam mesmo muito bem um com o outro...(Não me "canso" deste plátano!)

Bom fim-de-semana e bons passeios.

Ana Patudos disse...

Lindos os dois, o plátano e o poema.
Abraço
Fique bem
Ana Paula

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Ana Paula,

Obrigado pelo comentário.

Boa semana.

as-nunes disse...

Desapareceu do éter uns comentários quer aqui queria deixar.
Foram escritos ao sabor do pensamento.
Só queria deixar os meus parabéns pelo reportório de temaS EXCELENTES e de nos obrigar a pensar e ACTUAR rapidamente.
Já agora vamos nós plantar árvores nas auto-estradas, por exemplo? Numa acção relâmpago?!...

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Amigo António,

Isso sim, seria uma REVOLUÇÃO: plantar árvores!

Vamos todos nós plantar uma árvore, e apenas uma, onde tenha espaço para crescer frondosa e sem necessidade de podas mutiladoras.

No entanto, antes dessa "subversão verde" de plantar mais árvores, faz-nos falta outra...Saber cuidar e respeitar as árvores que já temos plantadas nas nossas cidades.

Plantar árvores faz muita falta, mas talvez não tanta como saber cuidar das que temos nas nossas vilas e cidades.

Vamos continuar a lutar e a denunciar a falta de profissionalismo no tratamento da árvore ornamental em Portugal. Rendição? Nunca! Desânimo? Nunca!

Um forte abraço e boa semana.