segunda-feira, abril 02, 2007

Identificações por confirmar

Araucária (Araucaria sp.) - Ponte de Lima

Esta bela araucária situa-se em Ponte de Lima (perto da famosa Avenida dos Plátanos, ver aqui) e, ainda que sem uma certeza absoluta, penso que se trata de um exemplar da espécie Araucaria bidwillii Hook. f.

A Araucaria bidwillii é uma espécie originária da zona litoral do Leste da Austrália e conta no nosso país com belos exemplares, nomeadamente (e aqui, mais uma vez, vou-me socorrer do Árvores Monumentais de Portugal, do Ernesto Goes):

- Parque de Monserrate (Sintra);

- Mata do Buçaco (junto ao Hotel) - tanto quanto tenho conhecimento, o livro Remarkable Trees of the World de Thomas Pakenham, faz referência a esta araucária;

- Mata Nacional de Vale de Canas [este exemplar, situa-se junto ao eucalipto (Eucalyptus diversicolor F. J. Muell.) que se presume ser a mais alta árvore de Portugal e da Europa - infelizmente, dado o incêndio que assolou esta Mata no Verão de 2005, desconheço se estas árvores terão sobrevivido ao mesmo].

Numa próxima visita a esta bela vila minhota prometo tirar mais fotografias e ser mais rigoroso na sua identificação.

Cipreste (Cupressus sp.) - Alcaide

Esta segunda fotografia foi-me enviada por um leitor atento deste blogue, com interesse pelas árvores (e que já me confessou ter intercedido junto do Presidente da Junta de Freguesia do Alcaide, em favor do magnífico carvalho-alvarinho aí existente - ver aqui).

Este leitor referiu-se a esta árvore como sendo conhecida na aldeia por cedro mas, na realidade, pela fotografia que me foi enviada, parece-me ser um cipreste (Cupressus sp.), muito provavelmente da espécie Cupressus lusitanica Mill.

Apenas as árvores que pertencem ao género Cedrus são os "verdadeiros cedros" mas, vulgarmente no nosso país, atribui-se a designação de cedro a outras espécies, nomeadamente ao Cupressus lusitanica Mill., conhecido como Cedro do Buçaco.

Aliás, o próprio epíteto específico (lusitanica) induz em erro, pois esta árvore é originária do México e de outras regiões da América Central, mas tendo sido pela primeira vez identificada na Mata do Buçaco, acabou por ser designada em termos científicos como Cupressus lusitanica (e vulgarmente conhecida como Cedro do Buçaco).

Também neste caso se impõe um regresso ao Alcaide para confirmar a identificação desta árvore.

2 comentários:

Manuela disse...

Olá. Belas árvores em Ponte do Lima. Também acho que e' uma Araucaria bidwilli. (Neste jardim onde ela se encontra, apaixonei-me por uma faia monumental...)
Pode ver-se a do Buçaco aqui.
No Porto há várias que datam dessa altura.
Nao sabia que na mata de Vale de Canas também existe uma! É incrível, Coimbra aqui tão perto e ainda nunca visitei essa mata, excepto na minha imaginação!

O Eucalipto sobreviveu; pelo menos foi o que na altura constou e veio publicado nos jornais; quanto à Araucaria não sei.
Continuacao de boas ferias ; -)
Abraço

Pedro n. t. santos disse...

Em relação a Ponte de Lima, quando passei nesta rua ía bastante apressado e já foi "um filme" para conseguir tirar esta foto...de facto, deverá ser uma bidwillii, fiquei foi muito curioso em relação à faia...tenho que lá voltar.

Em relação a Vale de Canas, se o eucalipto sobreviveu, então o mesmo deverá ter acontecido em relação à araucária pois estão muito perto uma da outra, bem no fundo do vale (e, curiosamente, tanto quanto me recordo, também aí perto vi uma bela faia da variedade com folhas avermelhadas...na realidade, depois de ver algumas na Irlanda, aquela será mais uma "faiazinha":)

Gostava de arranjar tempo e coragem para voltar a Vale de Canas...apesar do problema dos eucaliptais no nosso país, aquilo era bem diferente...e era quase imposível ficar-se insensível a tantos eucaliptos com alturas tremendas...ao descer aquele vale senti-me como que a entrar numa catedral..mas enfim, aquilo era um paiol à espera de um fósforo...infelizmente!

Boas férias e um abraço para o Porto!