segunda-feira, agosto 25, 2008

Tal e qual como em Portugal (II)

Plátanos (Platanus sp.) de Berkeley Square (Londres) - Imagem cedida por Paulo Araújo


No seguimento do texto que ontem publiquei sobre a problemática relação dos portugueses com as árvores, em especial das que se situam no espaço urbano, convirá sublinhar o que ocorre noutras latitudes.
Ressalvando sempre que este problema da falta de arborização das ruas ou das podas radicais está longe de ser um problema exclusivo do nosso país, como ainda recentemente pude constatar novamente em Espanha.

Em Abril passado, com base numa notícia do jornal espanhol El Mundo, escrevi um texto precisamente chamado "Tal e qual como em Portugal...".
Nesse texto, aludia à classificação de um plátano situado em Londres, mais concretamente em Berkeley Square, como a árvore mais valiosa de toda a Grã-Bretanha, de acordo com um conjunto de critérios definidos pela London Tree Officer's Association.


O Paulo Araújo, de passagem por Londres, aproveitou para visitar a Berkeley Square, no bairro de Mayfair. A fotografia, de sua autoria, mostra alguns exemplares do conjunto de 31 plátanos plantados em 1789.

O Paulo esclarece ainda que, dado as árvores terem dimensões semelhantes e não existir nenhuma placa identificativa, se torna praticamente impossível identificar o plátano vencedor do referido galardão. Apesar de tudo, confessou um pressentimento relativamente ao exemplar visível no centro da fotografia.

Talvez um dia por cá, as árvores comecem igualmente a ser valorizadas e a sua plantação e manutenção seja feita exclusivamente por técnicos credenciados. Talvez um dia, as árvores não sejam vistas como um inimigo na cidade, mas como um factor que facilita a vivência da própria cidade e que valoriza os imóveis situados em seu redor.

Sonho com o dia em que seja possível andar a meio de uma tarde de Verão, numa qualquer vila ou cidade portuguesa, sem que tal se assemelhe a ter que cruzar o deserto do Saara. Sonho com a sombra de árvores grandes...

P.S. - Ainda sobre o citado plátano de Londres, o Paulo forneceu-me as ligações para duas notícias na imprensa britânica. Podem ler esses artigos aqui e aqui.

2 comentários:

Ruben Vilas Boas disse...

Realmente é difícil ver um local destes em Portugal.
O contraste entre a organicidade das árvores e a geometria dos prédios é muito bonito!
As podas que cá se fazem são imcompreensíveis, destruindo a forma original de cada espécie, tornando-as todas iguais.

Paulo disse...

Plátanos magníficos. Quem não fica com vontade de sonhar à sombra deles?