quarta-feira, agosto 27, 2008

Avelãs pelo caminho



Caminhar por entre túneis de aveleiras (Corylus avellana L.).

P.S. - Outros verbos do Verão.

4 comentários:

Ana Patudos disse...

Dá vontade de passear por ali, no meio de tanto verde.Parece que me sinto nesse lugar ouvindo os meus passos nas folhas caídas e escuto os chilrear dos passaritos.
É com imensa pena minha que vejo tanta gente a destruir habitats, árvores, rios e plantas e a ficarem impunes :(
até quando??
Fique bem Pedro
Abraço
Ana Paula

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Olá Ana,

As Astúrias, a cerca de 500 km do Centro de Portugal, têm ainda habitats que, em Portugal, são difíceis (ou impossíveis) de encontrar; nomeadamente, grandes extensões de bosques de folhosas autóctones, talvez com as excepções da Mata de Albergaria (Gerês), Mata da Margaraça (Açor), Souto do Concelho e zonas anexas (Estrela), algumas zonas da Serra de Montesinho e da Nogueira (Trás-os-Montes) ou a Mata do Solitário (Arrábida).

Tal não significa que tudo seja perfeito em matéria de conservação da natureza nas Astúrias (ou na Espanha, de um modo geral). Longe disso...Por exemplo, em matéria de podas nas árvores ornamentais, de Norte a Sul, verifico que o panorama em Espanha é bastante similar ao nosso.

Abraço.

Rosa disse...

Olha que bom! Grandes árvores são cada vez mais raras aqui por onde eu ando. Nem na Tapada de Mafra(depois do incêndio de 2003). Ando com vontade de as ir visitar, esta é uma hipótese, obrigada.

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Olá Rosa,

As Astúrias, sobretudo no Outono, são um paraíso para quem gosta de árvores (e de plantas em geral). Embora nas cidades se note a mesma tendência para a poda radical. Nem tudo é perfeito.

Recomendo-te os bosques de Muniellos ou uma visita aos teixos classificados como "monumentos naturais". Em Gijón existe um bom Jardim Botânico que, infelizmente, não tive oportunidade de visitar