quinta-feira, maio 15, 2008

Veredas interiores...

Jardim Botânico de Lisboa


(tarde para o jardim em mim 1)


O observatório astronómico anda tonto

das estrelas se infiltrarem nos seus tectos,

e os pássaros quedos em céus incorrectos

apodrecem e voam certeiros ao encontro

do desamparo. Os gatos escrevem nomes

de namoros na dor rangida dos bambus,

como se furtiva se prenunciasse a luz

no soalho do crepúsculo. E as enormes

árvores do México e da Nova Zelândia

adoptam o aguaceiro para seu pranto

e têm saudades de avestruzes volantes.

Quero tanto sentar-me à janela, na ânsia

das buganvílias me tecerem um manto

de lábios e drogas e melros flamejantes.


Rui Ramalhinho (poema e fotografia)



P.S. - Adenda 1 - Por sugestão do Francisco Paiva, recomendo a leitura do texto "Quem defende o Jardim Botânico?" de Galopim de Carvalho.

Adenda 2 - Outras veredas interiores a descobrir: As bétulas e o Zêzere n' O Cântaro Zangado.

7 comentários:

FRANCISCO T PAIVA disse...

Dois artigos afins:
http://sorumbatico.blogspot.com/2008/04/botnico-precioso.html
http://sorumbatico.blogspot.com/2008/05/quem-defende-o-jardim-botnico.html

Júlia Galego disse...

Que saudades das aulas práticas de Botânica nesse maravilhoso jardim!
Esperemos que a voracidade da autarquia e dos construtores não destruam essa preciosidade da cidade de Lisboa.
Bom fim de semana.

Rodrigo Cardia disse...

Que lugar fantástico!
É um verdadeiro túnel verde o que mostra esta foto!
Assim como a Júlia, espero que a especulação imobiliária, que tanto mal faz a tantas cidades, poupe este belíssimo lugar.

Abraços
Rodrigo Cardia - Porto Alegre, Brasil

ljma disse...

Fiz parte do curso na faculdade de ciências, com aulas ainda na Rua da Escola Politécnica. Não costumo ter saudades dos tempos de estudante (Coimbra - onde também estudei - teve para mim mesmo muito mais encanto na hora da despedida, safa!) mas tenho saudades das voltinhas no jardim botânico, sim senhor.

Inspirei-me no tema das veredas interiores para uma "variação hermínea" no Cântaro Zangado.

Bom fim de semana!

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Francisco: Obrigado pelas sugestões de leitura; fiz, entretanto, um destaque para o artigo do Professor Galopim de Carvalho.

Júlia,

Conheci apenas o Botânico de Lisboa há 4 anos, mas fiquei fascinado...
Obrigado pelas imagens de Elvas que nos tem oferecido no "Entre Tejo..."


Rodrigo,

O Botânico de Lisboa fica no coração de Lisboa, rodeado de zonas que têm um valor imobiliário altíssimo.
É apenas uma questão de imaginação e de querer político, conciliar a protecção do Botânico e dos importantíssimos edifícios e museus anexos, com um projecto que permita salvar e revitalizar o "Parque Mayer" (conjunto de teatros da capital portuguesa).


José,

Embora tenha estudado em Aveiro, dei sempre que pude alguns "saltos" ao Botânico de Coimbra (o mesmo quando lá ía no Verão para visitar a família). Coimbra será, nesse aspecto e tendo em conta a sua dimensão, provavelmente a cidade portuguesa com mais espaços verdes.

Penso (embora possa estar enganado) que uma boa parte da população de Coimbra compreende a importância do seu "Botânico" para a cidade. Em Lisboa, e apesar de todas as intervenções públicas do Professor Catarino, penso que os lisboetas ainda não terão compreendido a real importância daquele espaço de biodiversidade para a própria cidade.

A todos: Obrigado e bom fim-de-semana.

Carlos Medina Ribeiro disse...

Obrigado(s) pela referência.

Na próxima 2ª-feira, o prof. Galopim de Carvalho volta ao Sorumbático com a 3ª crónica.

(Clicar nas letras GC, em, rodapé das crónicas, para aceder à anteriores, agrupadas)

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Caro Carlos Medina Ribeiro,

Obrigado pela informação. Continuarei atento...

Cumprimentos.