terça-feira, maio 06, 2008

O som da floresta

Conteira (Melia azedarach L.) em floração, Sanlúcar de Guadiana e o rio - Alcoutim (2008/05/01)

- Prossegue o abate de árvores na Avenida José da Costa Mealha, em Loulé - Requiem pelas árvores da cidade.

- No Brasil, a questão da poda das árvores em meio urbano, também está envolta em polémica. Por lá, como por cá, repetem-se todo o tipo de argumentos para justificar o injustificável.

- Investigadores do Jardim Botânico de Nova Iorque pretendem criar uma base de dados com o ADN de milhares de espécies arbóreas.

- A associação dos "Amigos do Parque Ecológico do Funchal" irá plantar no Pico do Areeiro, neste próximo Sábado, várias espécies de árvores e arbustos autóctones da ilha da Madeira.

- O projecto "Floresta Unida", que visa a reflorestação da Serra da Boa Viagem (Figueira da Foz), pretende plantar 150 mil árvores até ao final de 2008.

- O som da floresta: a laurisilva das Canárias (Parque Nacional de Garajonay, isla de La Gomera) em "discurso directo".

2 comentários:

gardunha disse...

Infelizmente vêem-se por aí muitas árvores a ser insensatamente decepadas. Duvido que em muitos casos exista uma justificação plausível para tal.
Mas nem tudo em negativo. Em Alcongosta, foi colhida uma invulgar cereja. Diria mesmo insólita. Uma mesma cereja com dois tons, proveniente de uma cerejeira enxertada. Podem ver este fenómeno da natureza aqui: Pedaços de Alcongosta

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

A cereja é bem curiosa (espero que o seu sabor esteja ao nível da sua beleza e brilho exterior).

A poda incorrecta das árvores ornamentais é feita com base nos motivos mais fúteis e mesquinhos que se possa imaginar.
No entanto, acredito que a maioria das pessoas aprecia a grandiosidade e a beleza das árvores; o problema é que muitas dessas pessoas acreditam que estas podas favorecem e são até indispensáeveis ao desenvolvimento das árvores ornamentais.