sexta-feira, janeiro 02, 2009

Pelo sobreiro...

Imagem retirada do sítio do "Expresso"

"A Direct Wines, o maior retalhista independente de vinhos do mundo, e a Corticeira Amorim plantaram sobreiros no Reino Unido, num gesto que procura simbolizar a parceria entre as duas multinacionais, líderes mundiais nos seus sectores". Esta acção contou com o apoio do deputado britânico Martin Salter e foi a primeira de um conjunto de iniciativas, em Portugal e no Reino Unido, de defesa da importância do sobreiro e do sector da cortiça - Ler a notícia integral na página do "Expresso".


A ONG Euronatura e a Fundação João Lopes Fernandes lançaram, no passado dia 19 de Novembro, através do sítio www. joaquimvieiranatividade.com, o filme "Três pessoas e um sobreiro". O filme pretende, passados que estão 40 anos após a sua morte, homenagear a figura de Joaquim Vieira Natividade, figura ímpar da ciência florestal nacional.

Por outro lado, o documentário "À sombra do sobreiro", de Olivia Blyth, já tem um teaser para auxiliar na respectiva promoção. E por falar em documentários, a BBC 2 emitiu, durante o passado mês de Dezembro, o documentário "Cork - Forest in a Bottle".

Por último, a imprensa internacional começa a compreender que a defesa do sector corticeiro, e da cultura do sobreiro a ele associado, está muito para além de ser uma questão meramente económica. Ver artigo no Telegraph britânico, de 29 de Novembro último.

Claro que este tipo de artigos causa sempre alguma urticária em certos sectores, bastando para tal ler este texto no blogue sobre vinhos "Vinography".
Um dos últimos comentários a este texto chega mesmo a afirmar que o governo português teve que criar uma área de protecção para a plantação de eucaliptos, ameaçada pela expansão das plantações de sobreiro e que o sobreiro nem sequer é uma espécie nativa no nosso país: "(...) The Portugal government had to create a protected area of eucalyptus because the cork farmers were clear cutting them to plant - yep you guessed it - cork trees. Cork trees are not indigenous to the region to begin with".

É este tipo de mentiras e de contra-informação que circula pela internet e que deve ser, de forma urgente e veemente, combatida.

P.S. - Este conjunto de informação foi disponibilizado pelo Luís Gil, membro da Unidade de Tecnologia da Cortiça, do INETI.

3 comentários:

Ruben Boas disse...

Gostei muito dos teus comentários Pedro. Relamente o defensor dos eucaliptos é hilariante.
Ainda dentro do assunto dos sobreiros, gostava de lhe perguntar se sabe alguma coisa do que se passa com a conservação do lince ibérico em Portugal... Ouvi dizer que iam criar centros de reprodução na Malcata e no Algarve mas, depois nunca mais se ouviu falar do assunto. É incrível como a comunicação social despreza este tema! Pelo que sei já não há linces em Portugal, mas sei disto por procurar informação na net, porque as televisões, principalmente portuguesas, estão se bem a burrifar.
Obrigado desde já!

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Viva e, antes de mais, votos de Bom Ano.

O programa de reprodução em cativeiro em Espanha está a correr bem e já nasceram várias dezenas de linces. Por este lado, pode-se dizer que está a correr conforme o previsto de tal forma que, ainda no decurso de 2009, deverão chegar linces para o centro português de reprodução em cativeiro (em Silves).

No entanto, o verdadeiro teste para a sobrevivência da espécie consiste na forma como estes animais se irão comportar em meio natural e se serão capazes, juntamente com os animais que vivem em liberdade, de constituir populações viáveis a longo prazo.

Uma coisa sabemos de antemão…Para além de animais saudáveis e geneticamente diversificados em número suficiente, é necessário disponibilidade de alimento (coelho) e uma boa gestão dos habitats. E esta é a parte difícil, pois com a pressão do turismo de massas e da agricultura/floresta intensiva no Sul da Península Ibérica, é cada vez mais difícil arranjar zonas com extensão suficiente para albergar as populações deste felino.

Veremos o que o futuro nos diz...Mas se com toda a riqueza europeia não formos capazes de salvar este felino da extinção, ficaremos sem qualquer tipo de moral para exigir que outros, nomeadamente em África, o façam...

Abraço.

Nuno Carvalho disse...

Se há Linces Ibéricos no planeta é graças aos espanhóis. Portugal nada conseguiu para evitar o seu desaparecimento em território nacional. Esperemos que esta vergonha não se repita com o repovoamento que aí vem.

Cumprimentos.