segunda-feira, dezembro 31, 2007

Procura-se explicação...

Pequeno núcleo de eucaliptos e mimosas - imediações da A23 entre a Covilhã e Belmonte

Um pouco por toda a Cova da Beira o cenário é idêntico ao ilustrado por esta fotografia. Os eucaliptos e as mimosas (esta em menor extensão) apresentam este aspecto, com a folhagem ressequida. É um cenário que se estende ao longo do vale do Zêzere, entre o Fundão e Belmonte, e que não se limita apenas a uma pequena parcela de território.

A questão que eu deixo aos leitores com experiência no sector florestal é se esta situação derivará de uma qualquer doença ou se, pelo contrário, ilustra apenas os efeitos das geadas severas que se têm feito sentir nas últimas semanas.

10 comentários:

Vera Jorge disse...

As costureirinhas de Braga desejam os maiores sucessos à Sombra Verde para o ano de 2008!!

ljma disse...

Também reparei na folhagem seca dos eucaliptos. Será da geada?

Bom 2008!

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Como estou no Algarve não tenho essa percepção de poderem ter ocorrido nesta zona geadas tão fortes que pudessem desencadear este fenómeno, daí o meu primeiro pensamento ter sido para uma doença que atacasse exclusivamente os eucaliptos.

Em anos anteriores, já observei eucaliptos e mimosas (e mesmo outras espécies como as laranjeiras e limoeiros) com a folhagem seca em virtude de ter sido "queimada" pela geada; tal poderá ser o caso aqui.
Entretanto comecei a observar o mesmo fenómeno nas mimosas e uma amiga minha, que tem uma quinta no Fundão, relatou-me que o seu limoeiro foi totalmente "queimado" pela geada (o que nunca antes tinha acontecido); estes relatos fizeram-me "inclinar" mais para a hipótese relacionada com as baixas temperaturas.

Veremos se alguém tem mais algum facto a acrescentar.

Feliz 2008! Abraço.

TPais disse...

Tambem já tinha reparado nesse fenomeno!Curiosamente foi no inicio de Dezembro e nessa altura vi apenas pequenos nucleos de eucaliptos "secos" no meio de outros. Na altura, gente local afirmou com certeza que se devia às geadas e que acontecia com alguma frequencia!
Abç

Gus-GIT-Florestal disse...

Amigos,

Acho que é o efecto da geada. Desconheço a localiazaciao exacta dessas árvores e tamén cómo foron as noites de frías, mais se como parece estamos vendo Eucalyptus globulus e Acacia dealbata, calquer coissa por baixo dos -5ºC pode causar estes efectos.

Poden ver aquí: http://git-forestry.com/EucalyptHighlandForests.htm

Ou poden ver tambén o EUCALYPTOLOGICS aquí: http://git-forestry-blog.blogspot.com/

Obrigado

Gus

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Tiago e Gus,

Obrigado pelas informações.

Cova Juliana disse...

Sobre o que causa aquilo não sei, o que sei é que aquela quinta me tira completamente do sério.
Se algum dia tiveres oportunidade de ir até lá vais ver aquela espectacular entrada que são aqueles eucaliptos.
Não gosto particularmente dessa árvore, mas naquele local estão espectaculares...

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Cova Juliana,

Como muitos portugueses, sou contra o uso menos reflectido que foi feito do eucalipto, nomeadamente em zonas com solos e clima não propícios para essa cultura(ver por exemplo os eucaliptais que estão ao abandono em certas zonas como no Tejo internacional).

No entanto, enquanto árvore ornamental, nada tenho contra o eucalipto, antes pelo contrário. E Portugal tem colecções de eucaliptos espectaculares, como por exemplo na Mata Nacional de Vale de Canas em Coimbra (que apesar de muito afectada pelo incêndio de Agosto de 2005 não perdeu a sua "jóia", um E. diversicolor com quase 70 metros:
http://www.git-forestry.com/KarriKnight-GiantEucalyptusdiversicolor.htm)

O pior são as mimosas...essas estão por toda a Cova da Beira e invadem zonas que poderiam estar ocupadas por carvalhal ou mesmo por outro tipo de ocupação agrícola ou florestal com alguma produtividade para as populações locais.

Vou tentar visitar e fotografar esses eucaliptos no Verão.

Um abraço

Anónimo disse...

Tenho observado o mesmo fenómeno em Eucaliptais de diversas zonas na Beira Baixa (perto do Tejo).
Penso que seja de uma geada forte (ou mais) que se verificou à cerca de 2 meses (a temperatura chegou aos 5 graus negativos nesta região a 150/250 metros de altitude).

João

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Caro João,

De facto, parece mesmo ter sido efeito das baixas temperaturas de finais de Novembro. Também já tinha reparado em situações similares junto a C. Branco e a Nisa (perto do IP2).

Os eucaliptos e algumas mimosas continuam com este aspecto, entre Belmonte e o Fundão. O limoeiro e o loureiro de uma amiga que tem uma quinta nos arredores do Fundão também não resistiram a essa geada.