sexta-feira, dezembro 21, 2007

Aproximando...

Covilhã e Serra da Estrela (vistas a partir de Peraboa, 2007-12-21)

Um pequeno resumo dos últimos dias, relativo a notícias sobre árvores; boas e más...como sempre!

Comecemos pelas más:

- Do Ondas 3, a divulgação de mais um "arboricídio", desta vez na Figueira da Foz (denúncia no blogue O Ambiente na Figueira da Foz);

- Ao lermos a edição de ontem do Jornal do Fundão, mais concretamente a página 7, deparamos com a prova definitiva do amor que os portugueses nutrem pelas árvores; reza assim a história: um homem, na última segunda-feira à noite, munido de um serrote, decidiu cortar uma árvore situada numa das principais artérias do centro da cidade do Fundão (a Avenida Eugénio de Andrade)! Dá para acreditar nisto? Acrescente-se o pormenor de o homem, ao ser detido pela GNR, não ter apontado quaisquer justificações para o seu acto.
E porque as haveria de dar, se todos os dias deparamos com atropelos contra o património arbóreo das cidades a mando das próprias câmaras municipais e das juntas de freguesia (?!)

Covilhã e Serra da Estrela (vistas a partir de Peraboa, 2007-12-21)

E depois desta história sórdida, bem que estamos a precisar de boas notícias:

- No blogue Maria Pudim duas notícias sobre árvores chamaram-me a atenção: a primeira notícia é relativa ao desejo da Associação Lisboa Verde de replantar numa zona verde da cidade, os pinheiros naturais utilizados durante esta época natalícia. Bastará para tal que os interessados contactem por telefone (21 3906899) a referida associação.
Convirá apenas recordar que nem todas as resinosas naturais vendidas nesta quadra, ainda que com raiz, estão em condições de ser replantadas; esta situação deriva do facto de muitas destas árvores serem vendidas com as raízes fortemente amputadas, pelo que apenas sobrevivem durante algumas semanas.
A segunda notícia refere-se ao reaproveitamento de árvores provenientes de grandes obras públicas, como a construção da Via do Infante, e que de outro modo acabariam por morrer; este é um objectivo muito nobre, que permitiu salvar milhares de árvores, nomeadamente as resultantes da desmatação que ocorreu aquando da construção do Alqueva.
No entanto, esta boa notícia pode vir a ter no futuro uma evolução menos sorridente. O elevado valor que muitas destas árvores atinge na actualidade, em particular as oliveiras, faz-me temer pelo aparecimento de outro fenómeno bem menos positivo; ou seja, que as pessoas comecem a vender as oliveiras (centenárias e mesmo milenares) que possuem nos seus terrenos, a troco do muito dinheiro que envolve este tipo de negócios.
E se num futuro próximo, as nossas melhores oliveiras (muitas das quais estão por classificar), começarem a ser arrancadas e vendidas para o estrangeiro ou mesmo para empreendimentos turísticos do nosso país? Alarmismo da minha parte? Veremos...

- Através do blogue Fases da Lua Cheia chega-nos a notícia via Alvor de Sintra, da reflorestação com espécies autóctones de uma zona com 50 hectares envolvente ao Convento dos Capuchos, anteriormente ocupada por espécies invasoras (acácias e pitósporos);

- A campanha "Um milhão de carvalhos para a Serra da Estrela" continua em marcha e desta vez contou com o apoio de um pelotão de fuzileiros da marinha (o Ondas 3 dá-nos a ligação para a notícia do Diário XXI).

- O Blog Verde tem divulgado várias acções de reflorestação com espécies autóctones na Serra da Lousã, resultantes da iniciativa da Lousitânea – Liga de Amigos da Serra da Lousã.

- Por último, a Associação Transumância e Natureza entregou no passado Sábado, dia 15 de Dezembro, os prémios relativos ao concurso "Em Busca da Maior Árvore"; por gentileza desta associação, acabei por me ver envolvido na parte final desta iniciativa, já que me foi solicitado o parecer sobre algumas das árvores a concurso (convite que muito me honrou).
Não vou, por motivos óbvios, divulgar a localização ou outros dados sobre as árvores, pois tal deverá ser feito pela entidade organizadora.
No entanto, e por que tal já foi divulgado na comunicação social regional (nomeadamente no jornal O Interior, que na sua edição desta semana traz uma notícia sobre este assunto), posso adiantar que entre as árvores descobertas está um magnífico carvalho-negral que será, sem sombra de dúvidas, um dos mais grossos do nosso país.

2 comentários:

as-nunes disse...

As "boas notícias" são de enaltecer e de seguir o exemlo noutras paragens. Até nem seria muito difícil fazerem-se reflorestações. O Homem é que não há maneira de ganhar consciência da necessidade imperiosa de cada um de nós fazer o que é preciso pela preservação da Natureza.
Aquel do tipo do serrote é de estarrecer. E deixa-se andar um doido desse à solta?
BOM NATAL
António Nunes

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

António,

A história do Fundão é mesmo de estarrecer e será resultado de puro vandalismo ou mesmo de um acto de "loucura"; mas, longe de querer desculpar este acto, custa-me ainda mais ver as entidades públicas (supostamente gozando de "boa saúde mental) deste país, como as câmaras municipais, delapidarem o património arbóreo das cidades através das recorrentes podas radicais.

Enfim, esperemos que o novo ano nos traga notícias mais animadoras a este respeito...

Muito obrigado pelos seus votos de Bom Natal, que eu retribuo, desejando-lhe ainda um Bom Ano Novo.

Um abraço