quarta-feira, setembro 18, 2013

Morreu "O sobreiro de Portugal"

Sobreiro da Herdade de Pai Anes - Fotografia de Luís Rodrigues

Infelizmente, parece-me evidente a conclusão, pelas imagens enviadas por um leitor, que o extraordinário sobreiro da Herdade de Pai Anes, na freguesia de Póvoa e Meadas (no concelho de Castelo de Vide), terá morrido.

Se o sobreiro é a Árvore Nacional de Portugal, este exemplar seria, por ventura, o mais emblemático de entre todos os seus pares. Apesar dos danos sofridos pelo ciclone de 1941 e da queda de um dos ramos principais em anos mais recentes, quando o visitei pela primeira vez, em 2008, a copa apresentava ainda um considerável vigor.


No entanto, já nessa altura, à vista de um leigo, eram imprevisíveis os efeitos que este evento poderia ter na sustentabilidade futura da árvore. Este facto, levou-me a escrever, em fevereiro de 2008, as seguintes palavras no meu blogue pessoal (A sombra verde):
(…) É certo que a árvore está no estado que as fotos documentam, isto é, uma das pernadas principais caiu, abrindo algumas fendas na zona de inserção no tronco. Mas acreditem que, apesar do descrito, a parte restante da árvore aparenta respirar vitalidade.
No entanto, parece-me imprescindível que seja feita, por técnicos competentes, uma análise criteriosa ao estado de saúde da mesma, como forma de garantir que este sobreiro não corre o risco de colapsar sob o seu próprio peso.
É certo que o seu proprietário, o Sr. Manuel Carmona, que tivemos o prazer de conhecer na ocasião, já tinha alertado os serviços competentes do Ministério da Agricultura para o estado de conservação da árvore.

Mas, sem querer desculpar a inoperância destes serviços, nada nos garante que a queda da referida pernada fosse um processo evitável. Pelo contrário, a perda de uma pernada mais frágil e doente, poderá mesmo garantir uma maior longevidade da restante parte da árvore. Resta apenas garantir, tal como escrevi atrás, que as pernadas restantes suportam o peso da copa; podendo para tal ser necessário recorrer a estruturas metálicas de suporte, tal como no caso do afamado plátano classificado de Portalegre.
Pelo que referi anteriormente, parece-me evidente que os serviços florestais não podem “abandonar” as árvores e os seus proprietários, após o processo de classificação. O Estado não se pode furtar ao seu papel de auxiliar, pelo menos de um ponto de vista técnico, as pessoas que aceitam a classificação de uma parte dos que lhes pertence.
Afinal de contas, estamos perante património de todos que compete ao Estado ajudar a salvaguardar
.
Não pretendo fazer um julgamento público dos responsáveis do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), sabendo bem da escassa, para não dizer nula, importância que o departamento de Arvoredo de Interesse Público tem dentro da própria orgânica do ICNF. Sei bem do amor que o engenheiro Campos Andrada devota às árvores monumentais do nosso país e da imensidão da sua tarefa de vistoriar as centenas de árvores classificadas espalhadas de norte a sul do território, com os (praticamente) inexistentes recursos de que dispõe.

Em abono da verdade, manda o elementar princípio de inocente até prova em contrário, admitir que neste espaço de tempo a árvore tenha sido visitada por técnicos do Ministério da Agricultura e que estes tenham concluído pela inevitabilidade do processo de decadência da mesma. Desconheço igualmente se o temporal de 18 e 19 de janeiro último, que causou a queda de centenas de árvores por todo o país, provocou danos adicionais neste exemplar.

É tarde para lamentar o sucedido, mas a dúvida ficará para sempre. Uma inquietante pergunta martela o meu pensamento enquanto escrevo estas linhas: poderia este desfecho ter sido evitado?

(Texto publicado originalmente no blogue da Árvores de Portugal.)

1 comentário:

José Veloso disse...

É de lamentar a morte de mais um monumental espécime da flora nativa, mas nesta árvore as causas são naturais. Parece pela imagem e inserção do tronco no solo que pouco haveria a fazer nestes últimos anos para aguentar-la. Triste é sermos um país que pouco zela pelo seu património, pouco investe, poucos trabalhadores há para fazer frente a esta problemática. É um cargo laboral que aceitava com salário inferior ao praticado.