terça-feira, março 23, 2010

Abate de tílias no coração de Loulé



A opinião da Árvores de Portugal sobre este caso. No nosso blogue.

5 comentários:

Graça Gomes disse...

A "minha" tília foi derrubada.

Depois de várias investidas frustradas, conseguiram deitá-la ao chão. Já antes a tinham decepado, cortando-lhe dois imponentes ramos.

E em toda esta história destaca-se este gigante de tronco grosso e braços levantados ao céu que, heroicamente, resistiu, enquanto teve forças, às investidas do tempo e do homem.

Suportou os rigores de muitos invernos e os verões escaldantes queimaram-lhe as folhas. O luar, branco inundou-a de luz, tantas vezes, e tornou mais brilhantes as folhas prateadas a que a tília dava vida.

Olho para o tronco retalhado, espalhado pelo chão, e vem-me à memória o meu pai e um madeireiro interessado na compra, já lá vão uns anos, --dou-lhe cem contos pela árvore. Mas o meu pai respondeu, ofendido e determinado: nem por mil contos a venderia!

Porque a nossa tília sempre acompanhou, do alto da sua ramagem e dos muitos, muitos anos, a minha família, durante cinco gerações. Viveu as nossas alegrias e chorou, connosco, quando a desgraça nos bateu à porta.

Plantada pelo meu bisavô, Francisco Bernardo Pimenttel, num lugar alto, donde avistava todo o casario, assistiu ao desenrolar das vidas desta gente e ao nascer do sol nos "Outeiros".

Olho para o chão, novamente. Ali está o tronco retalhado, cheio de seiva, e as memórias são brutalmente dolorosas:

Ali está de novo o meu pai, a organizar a lenha para o Inverno, debaixo da tília, que o protegia e lhe ouvia os queixumes. E como eles conversavam nessas tardes de Primavera e Outono...

... Nem por mil contos a venderia!

Ela era parte da nossa família, era nossa. Durante mais, muito mais de um século foi tratada e acarinhada.

Era com muito cuidado que lhe tirávamos meia dúzia de flores para o chá.

Olho para o chão, mais uma vez, onde ela continua desfeita, retalhada, vencida pelo homem.

As recordações atingem-me como raios fulminantes e eu não consigo libertar-me delas.

Oiço a sª Amélia Lavrador, a sª Amélia da Praça, dizer: Quando a tília está em flor, a Praça fica com um cheiro que até dá gosto.

A Primavera está cá. Desta vez, na Praça, não vão sentir aquele cheirinho de flor de tília, e ela, a tília, jamais verá aparecer o sol nos Outeiros. O meu pai, já há muitos anos, que não procura o abrigo dos seus ramos para preparar a lenha para o Inverno.

E ela está vencida, derrotada, retalhada, espalhada pelo chão.

Antes de tombar, dizem, elevou uma prece aos céus, pedindo um sono suave e tranquilo para aqueles que foram a sua família e que acompanhou, de ramos curvados, à última morada.
Graça Gomes em 21 de Março de 2010




In lebucaodevalpacos@blogspot.com

Sérgio disse...

Mais uma ignobilidade, à boa maneira Portuguesa...daqui envio uma medalha de osso á cámara de Loulé por tão bravo feito ( sarcasmo)!!!! Sinto-me frustado e revoltado com tanta estupidez...MAIS UMA PARA JUNTAR HÁ JÁ CÉLEBRE QUALIDADE DE VIDA PORTUGUESA!!! Belo texto o de GRAÇA Gomes. Bem haja!

vítor disse...

A minha raiva é tão grande que nem vou dizer nada para não ser processado e preso...

Graça Gomes disse...

Corrijo o endereço do Blog:

http://lebucaodevalpacos.blogspot.com/

Ecogrupo ,Ecossistemas,Ecoviveiros e Odexlar. disse...

Grande contraste ,bela foto apesar de ser triste não deixe de ter sido o momento certo - A maquina e o homem