sexta-feira, abril 10, 2009

Identificada nova e perigosa invasora em Portugal

Salvinia molesta D.S. Mitchell - Fotografia de Troy Evans (Eastern Kentucky University, EUA)

Tomei conhecimento, através de uma notícia da edição online do Público, da presença em território nacional de uma perigosa invasora, Salvinia molesta D.S. Mitchell, com origem na América do Sul.

Esta planta aquática, nos últimos 70 anos, expandiu a sua área de distribuição, em particular para zonas tropicais e subtropicais, estando identificada a sua presença em África, na Ásia, na América do Norte e na Austrália.

A sua introdução em Portugal resulta do desconhecimento e da forma como continuamos a introduzir novas espécies, nomeadamente a partir de viveiros, sem pensar nas possíveis consequências futuras de tal acto.
Este caso demonstra ainda a forma pouco célere como o ICNB lida com estes casos, provavelmente por falta de meios (não me atrevo, sequer a supor, que seja por falta de vontade).

Mas este caso da introdução da Salvinia em território nacional tem ainda um lado positivo, como poderão constatar lendo a referida notícia, pois demonstra como a sociedade civil, desde que devidamente informada, pode ser essencial na divulgação e ajuda no controlo do problema das invasoras.

Não existe nenhuma lei que resulte se a população não estiver informada e não colaborar na sua implementação e cumprimento. Façam a vossa parte após lerem esta notícia: divulguem a existência da Salvinia molesta D.S. Mitchell em território nacional e alertem acerca dos gravíssimos problemas ambientais e económicos que a sua propagação descontrolada poderá representar para o nosso país. Obrigado.


P.S. - Alguns exemplos da muita informação disponível em língua inglesa, na internet, sobre a Salvinia:

- Invasive.org (Center for Invasive Species and Ecosystem Health) - descrição sumária da espécie, fotografias e ligações para outras páginas com informação adicional;

- The Biological Resources Discipline (BRD) of the U.S. Geological Survey (USGS) - descrição da espécie e folheto informativo (pdf);

- US Army Corps of Engineers (Enginneer Research and Development Center) - relatório sobre a ecologia da espécie e estratégias para o respectivo controlo (pdf).


4 comentários:

Anónimo disse...

Olá Pedro. Passe pelo macloulé. Prémio Jovem Pensador para arquivar.

Boa Pascoa!
João Martins

Sergio disse...

Olá. Pois mais uma invasora.. So para acrescentar que as vi a venda no outro dia num conhecido horto de lisboa...como tambem ja vi jacintos de agua..

Cumprimentos,
Sérgio Martins

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

Caro Sérgio,

Obrigado pela informação. É incrível a facilidade com que se continua a encontrar o jacinto-de-água à venda!

Temos muito a fazer em termos de fiscalização mas, numa era em que qualquer pessoa pode encomendar sementes pela internet, isto só lá vai com campanhas de informação e de sensibilização junto das populações.

Claro que a informação por si só não resolve o problema e não anula a necessidade de fiscalizar as lojas da especialidade, o apoio à investigação científica nesta área e as acções de controlo do problema no terreno.

Mas sem vencermos a batalha da informação sobre as invasoras, temos 10 milhões de potenciais propagadores deste problema, por puro desconhecimento da situação.

Cumprimentos.

Maria Lua disse...

Mais uma...
:-(